26.1.09

Sonhei contigo, hoje. Há muito tempo que não acontecia, assim desta maneira. Acordei a meio da noite e estive de olhos fechados alguns minutos. Na verdade devem ter sido só alguns segundos, mas o tempo prolongava-se sem sair do mesmo lugar. "Não quero que seja um sonho, não quero." Disse bem baixinho para mim. Quando os abri não estavas. Sonhos... - olhei para o telemóvel pela milésima vez nesse dia. Agora sinto a tua falta. Pela primeira vez nas últimas semanas, no último mês, fui ao guarda-roupa e tirei de lá a almofada que era tua, ainda com a mesma fronha da última vez em que lá adormeceste - não tenho coragem de trocá-la, ainda não - um dia teve o teu cheiro, já o gastei de tanto o sentir, mas acredito que um bocadinho teu ainda mora lá. Quando fecho os olhos, não preciso de fazer muita força, consigo senti-lo. Não és tu, nunca o será, mas reconforta e o que eu preciso agora é de conforto, o teu. Imaginei-te ali e rezei para que o sol se tardasse a nascer naquela manhã. Nessa noite não chorei.

Sonhei contigo, hoje. Há muito tempo que não acontecia, e tu beijaste-me.

Volta. Fazes tanta falta.

 

 

P.S.: You know...

Categories: ,
L., às 17:07  comentar

De caleidoscópio a 29 de Janeiro de 2009 às 22:01
oh my god :$ liiindo.

De L. a 3 de Fevereiro de 2009 às 19:45
:$

De Pedro Pereira a 3 de Fevereiro de 2009 às 19:37
Já há muito que venho acompanhando o seu blog e devo dizer-lhe que a sua sensibilidade me arrepia :)

De L. a 3 de Fevereiro de 2009 às 19:40
Arrepia porquê?

De Pedro Pereira a 3 de Fevereiro de 2009 às 21:34
Arrepia...no bom sentido :)
Melhor, encanta-me A simplicidade com que escreve :)
Tem um fã!

De L. a 4 de Fevereiro de 2009 às 00:11
Bom, bom. Mas vamos combinar uma coisa, trata-me por tu (:

"...things don't have to be extraordinary to be beautiful.
The ordinary could be just as beautiful."

Wicker Park