24.5.09

 

 

 

 

 

 

 

Categories:
L., às 20:42  (8) comentar

Sou católica, ou pelo menos tentaram-me instruir para o ser. Sempre foi uma daquelas coisas que me fez muita confusão. Mandaram-me para a catequese, baptizaram-me e tudo o mais que havia para fazer, ía todos os Domingos à missa, ía às procissões e a todas as comemorações religiosas. Continuava a achar aquilo tudo muito estranho. Nunca questionei, nem me deixavam questionar. Apenas fazia o que me mandavam. À medida que fui crescendo sentia-me sempre mais obrigada a cumprir aqueles rituais. Começava a inventar desculpas para não ter que participar. Deixei-me de identificar com tudo aquilo, talvez nunca me tenha identificado, será o mais provável. Ainda assim, quando tinha algum problema rezava e pedia que tudo passasse, porque acreditava na existência de Deus. Independentemente do tempo que demorava até esse problema passar acreditava que tinha sido Ele. Hoje reparei que há largos meses que não faço isso e tenho passado a manhã  a pensar no porquê. Nos últimos meses cada vez que tive uma merda na vida, sabem, daquelas merdas que nós pensamos que são o fim do mundo mas que não o são? Cada vez que tive uma merda dessas não me passou pela cabeça sequer fechar os olhos e pedir "Por favor, faz com que tudo passe." E isto tem-me fodido a manhã toda.

Categories:
L., às 13:05  (6) comentar

Ando com umas tendências um pouco suicidas, passo a palavra.

L., às 12:59  (7) comentar

"...things don't have to be extraordinary to be beautiful.
The ordinary could be just as beautiful."

Wicker Park